Pesquisar no Blog do J.A.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

DIVÓRCIO - SEPARAÇÃO QUE DESPEDAÇA


Ao interpretar o decreto de Moisés sobre o divórcio (Dt 24.1), os seguidores do rabino Shammai acreditavam que o divórcio só seria possível por causa de infidelidade. Os seguidores do rabino Hilel, no entanto, argumentam que a Lei de Moisés permite o divórcio virtualmente por qualquer razão. Jesus chocou seus discípulos ao rejeitar tanto uma proposta como a outra nesse debate entre os rabinos (Mt 19.10). 

Em lugar de ir direto ao texto contestado (Dt 24.1). Jesus fez referência à quebra dos laços do casamento (Mt 19.4-6). A resposta final para esse problema não está numa questão legal, no exercício da tradição nem em soluções humanas, mas sim, no plano criado por Deus (Gn 2.24). Deus nunca afrouxou nem comprometeu seus princípios.Ele redime e restaura qualquer um que busque seu perdão.

O ponto de vista de Jesus sobre o divórcio (gr. apostason, de apoluo, "mandar embora", significando "remover do centro do relacionamento" ou "quebrar comunhão") pode ser entendio apenas se visto à luz do princípio preexistente da monogamia permanente de um homem e sua mulher, que diz que os casais devem permanecer juntos durante toda a vida .

O plano da permanência é claro na metáfora "uma só carne" usada pelo Senhor. Moisés permitiu o divórcio como um artificio para proteger as mulheres tratadas com maldade por homens inescrupulosos que procuravam manipular os processos de separação. Os fariseus tomaram a "permissão" da Lei e transformaram-na em "mandamento", fazendo da fragilidade humana uma justificativa para se desviar do plano e propósito de Deus.

Jesus não ensinou que parte inocente precisa divorciar-se da culpada. O propósito da cláusula de "exceção" da Lei de Moisés, repetida na explicação de Jesus, não é encorajar o divórcio. O compromisso de união no casamento não depende da vontade humana nem daquilo que o indivíduo faz ou deixa de fazer, mas sim, do plano original e do propósito que Deus tem para o casamento (Os 3.1-3).

Deus rejeita o divórcio pela seguintes razões:

  1. O Casamento é uma instituição divina que o Senhor usou para ensinar seus filhos sobre seu relacionamento com ele (Gn 1.27; Mt 19.4).
  2. O casamento é ordem clara de Deus e leva sua marca (Mt 19.4-5).
  3. O casamento une duas pessoas em uma só carne, testificando sobre o propósito de permanência que Deus tem para a mais íntima união (Mt 19.6).
  4. Jesus aponta para exemplo do primeiro casal (Mt 19.8).
  5. Quando ocorre uma separação, as consequências ruins são inevitáveis (Mt 19.9).
O divórcio não será nunca a opção de Deus. De fato, Deus odeia o divórcio (Mt 2.16), No entanto, se o divórcio ocorrer por qualquer razão, Deus deseja trabalhar na restauração da pessoa que experimentou essa tragédia se houver arrependimento e desejo de reconciliação com ele.

Fonte: "A Bíblia da Mulher"


Pb. Donizeti (Um servo do Senhor Jesus a serviço do reino de Deus).

Conselhos Bíblicos