Pesquisar no Blog do J.A.

quinta-feira, 10 de março de 2016

Rainha dos Céus

"Quem era a "rainha dos céus" é mencionada em Jeremias 7.17,18?"

"Porventura não vês tu o que andam fazendo nas cidades de Judá, e nas ruas de Jerusalém? Os filhos apanham a lenha, e os pais acendem o fogo, e as mulheres preparam a massa, para fazerem bolos à rainha dos céus, e oferecem libações a outros deuses, para me provocarem à ira."
Jeremias 7.17,18

A opinião mais coerente é a de que o profeta se está referindo à deusa Astarote, também chamada Astarte. Era a deusa que os sidônios relacionavam com o amor e a guerra.

Astarte (grego Αστάρτη e no hebraico עשתרת) - personagem do panteão fenício e da tradição bíblico-hebraica conhecida como deusa dos Sidônios (I Rs 11.5). Era a mais importante deusa dos fenícios. Filha de Baal, irmã de Camos (Camoesh), deusa da lua, da fertilidade, da sexualidade e da guerra, adorada principalmente em Sidom, Tiro e Biblos.

Identidade
  • Nomes: Asterate / Asterath / Astarote / Astorate / Asterote / Astorete / Astartes / Astartéia / Asera / Baalat.
  • Família: Filha de Baal, Irmã gêmea de Camoesh (Camos), esposa de Tamuz
Rituais

Os seus rituais eram múltiplos, passando por ofertas corporais de teor sexual, libações, e também a adoração das suas imagens ou ídolos. O seu principal culto ocorria no equinócio da primavera e era altura de grandes celebrações à fertilidade e sexualidade. O sexualismo e erotismo ligados ao seu culto fazia dela uma deusa muito adorada entre os povos da altura, exatamente pelo seu teor. Talvez seja este o motivo que levou o rei Salomão a adorar esta deusa (1 Rs 11.5), contrariando o seu Deus.

Relacionamentos

Em Sidom, o culto era dividido principalmente entre dois deuses Eshmund e Asterate (Astarte). Astarte era esposa do deus Tamuz que vem referenciado na Bíblia em Ez 8.14.

Locais de culto

Um dos seus templos principais encontrava-se na terra dos filisteus - em Ecron (I Sm 31.10).

Referência histórica

Esta divindade bíblica é uma herança mitológica da história dos povos da suméria (bíblica Sinear) e dos acádios (Gn 10.10), onde Asterate era chamada de Ishtar ou Inanna. Mais tarde para os gregos esta divindade foi chamada de Afrodite e Hera, enquanto que para os egípcios era recordada como Ísis ou, como outros defendem, Hator.

Esta apareceu pela primeira vez nesta mitologia depois da 18º dinastia, no relato da batalha entre Hórus e Seth em que a sua identidade poderia ser equiparada com Anat. Segundo a mitologia suméria e acádia Ishtar (Asterate) era irmã de Shamash, ao qual a bíblia se refere como Camoesh, Camos ou Quemós. Em mais que um versículo na Bíblia estes dois nomes aparecem juntos. (I Rs 11.33, II Rs 23.13)

O nome Asterate também aparece associado a Baal (Jz 2.13, Jz 2.13, I Rs 18.19). Baal para os sumérios seria a deusa Nana, ou Sin para os acádios, que também era pai de Ishtar/Inanna. Em Biblos, Astarte era conhecida como "Baalate" (forma feminina para Baal).

Outras referências

A deusa Astarte foi a mais importante das numerosas divindades fenícias e a única que permaneceu inamovível na sua rica mitologia, apesar das profundas e contínuas mudanças no culto que resultaram de diversas influências oriundas de toda a área do Mediterrâneo, recebidas por este povo de navegantes.

A deusa era uma representação das forças da fecundidade e, como tal, foi adorada sob variados aspectos. Todos eles tinham de comum a imagem de uma deusa amorosa, bela, fecunda e maternal. Chamaram-lhe Kubaba-Cibeles no norte da Síria. Esta e as restantes divindades fenícias eram adoradas em santuários, mas o seu culto não carecia de esculturas religiosas, pelo que, muitas vezes, elas faltavam nos templos. A sua sede era uma simples pedra ou pilone no centro do lugar sagrado.

A proteção divina na vida doméstica era invocada em estatuetas de material tosco, inacabadas, ou em amuletos de inspiração egípcia, como por exemplo o célebre escaravelho solar das pintura faraônicas.

Conselhos Bíblicos