Pesquisar no Blog do J.A.

domingo, 30 de novembro de 2014

O Arrebatamento da Igreja - 6/6

Quem não participará do Arrebatamento?

1. Os incrédulos (Jo 20.27; Hb 3.19; Ap 21.8);

2. Os endurecidos de coração (Sl 95.11; Hb 4.7);

3. Os que amam o mundo (1 Jo 2.15,16);

4. Os que recuam, como tímidos e covardes (Hb 10.38,39; Ap 21.8);

5. Os feiticeiros (Dt 18.12; 1 Sm 15.23);

6. Os idólatras (Rm 1.25,26,32; Ap 21.8; 22.15);

7. Os não purificados pelo sangue de Jesus (Hb 9.14,22,28).

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

O Arrebatamento da Igreja - 5/6

Quem participará do Arrebatamento?

1. Os chamados por Deus (Rm 8.28-30);

2. Os que recebem a Jesus como Salvador (Jo 1.11,12);

3. Os nascidos de novo (Jo 3.3-5; Hb 12.14);

4. Os que creem (Hb 10.38,39);

5. Os reconciliados com Deus (Rm 5.10);

6. Os salvos e vivos que esperam Jesus (Hb 9.28; 1 Ts 1.10; 4.17);

7. Os pacientes (Tg 5.8);

8. Os vigilantes (Lc 21.36);

9. Os fiéis (Sl 101.6; 1 Co 11.23; 1 Ts 5.2-4; 1 Tm 1.12; 2 Tm 4.6-8; Hb 10.25; 1 Jo 2.28);

10. Os santos (Ef 1.1; 1 Ts 3.12,13; Tt 2.12,13; 1 Pe 1.15);

11. Os humildes (1 Pe 5.6);

12. Os irrepreensíveis (1 Pe 5.23);

13. Os que guardam a praticam a Palavra de Deus (Tg 1.22,23; Ap 1.3);

14. Os que vivem em paz com todos (Hb 12.14);

15. Os que são testemunhas (Rm 10.9; Fp 4.5);

16. Os que renunciam as concupiscências mundanas (Tt 2.12,13);

17. Os que esperam (2 Co 5.8; Fp 3.20; 1 Ts 1.10; 1 Jo 3.2,3);

18. Os que amam a vinda de Jesus (2 Tm 4.8; Hb 9.28);

19. Os que preparam (Am 4.12; Tt 3.1; Ef 6.15);

20. Os vencedores (Ap 3.5,12,21);

21. Os mortos em Cristo (1 Co 15.22,23,52; 2 Co 5.1,2,8; Fp 1.23). 

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

O Arrebatamento da Igreja - 4/6

Data do Arrebatamento

As Setenta Semanas de Daniel marcam datas:

a) Do início das Semanas;

b) Da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém;

c) Do tempo da duração da Grande Tribulação.

Mas, a Dispensação da Igreja, que está entre a 69ª e a 70ª semana, não tem duração revelada.

O Arrebatamento da Igreja e a Grande Tribulação estão estabelecidos para a "plenitude dos gentios", que só Deus sabe quando será.

O Arrebatamento virá de surpresa:

a) A ocasião será surpreendente (Mt 25.6);

b) Será rápido (Mt 24.37; 1 Co 15.52);

c) A escolha será surpreendente (Mt 24.39-41);

d) Será surpresa coletiva (Mt 24.36-39);

e) Será iminente (1 Ts 5.1-6).

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

O Arrebatamento da Igreja - 3/6

Passará a Igreja pela Grande Tribulação?

O Arrebatamento da Igreja acontecerá antes da Grande Tribulação. Inclusive, será o marco para que sejam desencadeados os fatos da Grande Tribulação.

Tudo vai acontecer, a partir do Arrebatamento.

O Espírito Santo e a Igreja de Cristo na Terra detêm Satanás.

No momento que o Espírito Santo impulsionar a Igreja e subir com ela para entregá-la a Jesus, Satanás tomará conta da Terra para atribulá-la duma vez (2 Ts 2.6-12).

Em Apocalipse 5 á 9, que trata da Grande Tribulação, a Igreja não aparece, pois já estará com Jesus nos ares (Jr 30.7; Dn 9.24; 12.1).

terça-feira, 25 de novembro de 2014

O Arrebatamento da Igreja - 2/6

Classificação das Etapas de Glorificação

O arrebatamento e a ressurreição dos salvos tem sua base na ressurreição de Cristo (1 Co 15.12,16,18,20).

a) Com base na ressurreição de Cristo, os heróis do Velho Testamento ressurgiram (Mt 27.52,53).

b) O Arrebatamento da Igreja coincidirá com a ressurreição dos salvos. Na era da Igreja, entre a ressurreição de Jesus e o Arrebatamento, todos nós seremos ressuscitados ou arrebatados (1 Ts 4.16,17). É a colheita com severa escolha (Mt 13.30; 24.40,41). Essa classificação inclui os convertidos na grande tribulação, que serão levados ao encontro de Jesus e da Igreja, logo após a sua morte (Ap 6.9-11; 7.9-14; 15.2; 20.4).

O Arrebatamento da Igreja - 1/6

Tipos Bíblicos do Arrebatamento da Igreja

Gênesis 7.1 declara a proteção dada a Noé e sua família para livrá-los o Dilúvio.

Gênesis 5.24 e Hebreus 11.5 mostram o arrebatamento de Enoque a fim de não sofrer os transtornos da morte.

Elias foi arrebatado e não provou a morte (2 Rs 2.11).

Ló foi retirado de Sodoma e Gomorra para não ser destruído pelo fogo com os ímpios (Gn 19.14,22).

A ressurreição de Jesus garante o Arrebatamento da Igreja (At 1.9).

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Levar a sério as coisas

Devemos levar a sério a nossa salvação em Cristo.

Ignorar que o Arrebatamento irá demorar ou não acontecerá é perder tempo "sendo" cristão.

Ignorar que Satanás tem poder e que está tentando o derrubar a todo o momento é burrice.

Ignorar os avisos de não zombar de Deus e zombar é loucura.

Leve a sério o que a Bíblia diz a respeito de tudo, pois tudo o que ela diz é para você chegar ao céu!

Deus te ama. Leve-o a sério.

domingo, 23 de novembro de 2014

Santo

A expressão "santo" é usada somente por causa da morte vicária de Jesus Cristo, o Filho de Deus, em benefício eterno de todo aquele que crê (crente, cristão) que, portanto, passa a ser abençoado pela habilitação  do Espírito Santo em sua alma, seu Advogado e Conselheiro.

O Espírito de Cristo é também a nossa garantia (marca, selo) de filiação a Deus, e santificador do crente, separando-o dia a dia (processo de santificação) das garras desse sistema mundial dominado por Satanás e seus comandados.

Portanto, "santo", assim como "perfeito", tem a ver com a maneira como Deus, nosso Pai, nos vê a partir da pessoa e da obra do Senhor Jesus, além de serem alvos para nossas vidas cristãs (Jo 1.12; 14.16-24; 10.10; 1 Co 13.13; 1 Ts 1.3).

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Descrições Bíblicas da Igreja que Pertence a Jesus

A Bíblia não usa um nome exclusivo para a igreja. É errado, portanto, insistirmos num único nome que todas as igrejas fiéis tenham que usar. Muitas passagens falam simplesmente da igreja, algumas vezes identificando o local (cidade ou casa) onde o grupo de cristãos se reunia. Portanto, podemos nos referir à igreja simplesmente como “a igreja” (At 8.1; 9.31; Rm 16.1).

Freqüentemente, as descrições da igreja no Novo Testamento mostram a relação que existe entre o Senhor e sua igreja. A igreja pertence a Deus, e é, muitas vezes, chamada “a Igreja de Deus” (veja At 20.28; 1 Co 1.2; 10.32; Gl 1.13; 1 Tm 3.5,15). Jesus derramou seu sangue para comprar a igreja. Portanto, Paulo falou de “igrejas de Cristo” (Rm 16.16) e Jesus falou de sua própria igreja (Mt 16.18). O povo de Deus pode ser corretamente descrito como a “igreja dos primogênitos arrolados nos céus” (Hb 12.23).

Consideremos o significado de descrições bíblicas comuns da igreja:

O Corpo de Cristo (Cl 1.24; Ef 1.22-23; 4.12). Assim como o corpo humano não pode sobreviver separado da cabeça, não podemos viver sem nosso cabeça, Jesus Cristo (Ef 5.23; Cl 1.18). Discípulos de Jesus são membros do corpo (Rm 12.4-5; 1 Co 12.12-27; Ef 3.6; 4.16; 5.30).

O Reino de Deus ou Reino dos Céus (Mt 3.2; 4.17; Lc 4.43; At 8.12; 19.8; 20.25; 28.23,31). A idéia de reino ressalta a posição de autoridade do rei (veja 1 Co 4.20; Hb 1.8; 12.28-29; Mt 28.18-20; Ap 12.10). O reino de Cristo não é deste mundo (Jo 18.36). Em vez de ser uma entidade política e mundana, a igreja é um reino espiritual assentado no caráter santo de Deus. Podemos entrar no reino somente quando formos transformados espiritualmente (Cl 1.13). Como servos do Rei, temos que desenvolver as características espirituais de nosso Senhor (Tg 2.5), incluindo sua humildade, inocência (Mc 10.14-15) e santidade (1 Co 6.9-10; Gl 5.19-21).

A Casa de Deus (1 Tm 3.15) não é um edifício material, mas o santuário e a habitação do Senhor (Ef 2.21-22). É um edifício espiritual (1 Pe 2.5).

O Rebanho de Deus (At 20.28). Jesus é o bom pastor que deu sua vida pelas ovelhas (Jo 10.11). As ovelhas ouvem sua voz e o seguem para receber a vida eterna (Jo 10.27-28).

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

A Igreja Universal e a Igreja Local

Algumas vezes a Bíblia usa a palavra “igreja” no sentido universal, isto é, para falar de todo o povo que pertence a Cristo, não importa de onde ele possa ser.

Jesus falou da igreja deste modo: “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mateus 16.18). Ele não está falando apenas de uma congregação local, nem está falando de uma organização ou instituição mundial.

Ele está falando de pessoas, pedras vivas, construídas sobre Jesus Cristo, a fundação sólida. Paulo falou da igreja, neste mesmo sentido universal, quando escreveu: “...Cristo é o cabeça da Igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo” (Efésios 5.23). Jesus é o cabeça sobre todos aqueles que o servem, todos aqueles lavados e purificados de seus pecados (Efésios 5.26).

Freqüentemente, a palavra “igreja” é usada para descrever uma congregação local ou assembléia de santos. Note uns poucos exemplos:

"... à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos…” (1 Coríntios 1.2)

“E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano” (Mateus 18.17)

“...saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles.” (Romanos 16.5)

Igrejas locais são o resultado da pregação do evangelho. Quando as pessoas obedecem a palavra e se tornam cristãs, elas começam a reunir-se com outros irmãos na fé.

Geografia Bíblica: Filipos

Clique na imagem para ver maior

Filipos foi uma cidade importante do Império Romano (27 a.C - 476 d.C.), considerada uma porta de entrada da Europa em relação aos visitantes provenientes da Ásia.

Era Localizada no Leste da antiga província da Macedônia, a 16 Km do mar Egeu, no topo de uma colina. Abaixo dela estavam o rio Gangites e a via Egnácia, que ligava a Europa e a Ásia.

Sua origem remonta aos trácios, povo conquistado em 358 a.C. pelo rei Filipe II da Macedônia. A cidade recebeu esse nome em homenagem ao seu conquistador. Em 108 a.C. passou ao controle romano. Em 42 a.C., foi palco da batalha de Marco Antônio e Otávio Augusto, que buscavam vingar a morte de Júlio César, contra Brutus e Cássio - da qual o poeta Horácio diz ter participado (Ode 2.7. v. 2 e 9-16). Nove anos mais tarde, Otávio, futuro Augusto, venceu Marco Antônio e Cleópatra.

Clique na imagem para ver maior
Os veteranos dessas batalhas instalaram-se em Filipos, e a cidade acabou ganhando status de colônia romana e o Ius Italicum, o que a tornava uma réplica menor de Roma. Seus cidadãos tinham cidadania romana e possuíam inclusive direitos de propriedade equivalentes aos de uma terra em solo italiano. Os oficiais políticos eram descendentes dos soldados romanos, o que reforçava ainda mais o caráter latino da cidade, refletindo também seu pensamento e religião. Eram frequentes os cultos às divindades romanas, como Júpiter, Juno e Marte, e à antigos deuses italianos. As divindades gregas não tinham muito destaque. Persistia porém, adoração à deuses trácios.

A primeira igreja cristã na Europa. Foi fundada na casa de Lídia, a partir de sua conversão, em Filipos. Uma das principais colônias do Império Romano (chamada em latim de Colonia Augusta Philippensis), localizada na principal estrada (Via Egnácia) que ligava as províncias orientais com a cidade de Roma.

Clique na imagem para ver maior
Isso me fez ver que Filipos era uma cidade grande, com uma população rica e aristocrática, o que já torna a carta de Filipenses notável, pois mesmo uma igreja que certamente era tão grande, com pessoas abastadas e politicamente poderosas, era acolhedora e calorosa. Esta igreja foi fundada por Paulo durante a Segunda Viagem Missionária (Atos 16.10-12) e a primeira convertida que a Bíblia cita foi uma mulher chamada Lídia, vendedora de um caro pigmento de tingir (púrpura), que ofereceu sua casa como ponto de reunião (Atos 16.14-16). Mas nem tudo é tranquilo nessa cidade.

Na igreja de Filipos, ministravam vários bispos (em grego episkopoi, que significa "supervisores" ou "presbíteros" - At 20.17-28), entre eles Lucas, o autor de um dos evangelhos e do livro de Atos dos Apóstolos (At 16.13-17; 20.6).

Fonte:
Bíblia King James - Novo Testamento, Edição de Estudo, pág. 460.
http://pt.wikipedia.org/wiki/
https://analisebiblicaebt.wordpress.com

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Notícias - Obra Missionária Itália

Castelnuovo del Garda, 19 de Novembro de 2014.

“Faze-me teu servo fiel, ó meu Deus, que eu te honre em meu tempo e em minha geração, e que seja consagrado para sempre a teu serviço.” (Charles Spurgeon)

Amados irmãos e companheiros na obra missionária,

Graça e paz da parte de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Ao iniciar esta carta, meus pensamentos me reportam ao início do Projeto Seara Itália. Me recordo bem o sentimento de paz que tinha no coração ao voltarmos da Índia e a intensa busca para entendermos a vontade de Deus para os nossos passos futuros. Com grande sinceridade posso afirmar que nunca tive nenhuma preferência pessoal para servir a Deus em algum lugar ou país específico, mas sempre coloquei as nossas vidas por completo nas mãos de Deus, afim de que Ele nos conduzisse em tudo e que pudéssemos servi-lo com tudo que temos e somos, abrindo mão da nossa vontade para que a dEle seja realizada em nossas vidas. Como sempre costumo dizer: “O melhor lugar para estarmos é no centro da vontade de Deus”. Estar no centro da vontade de Deus não significa uma vida sem problemas ou dificuldades, na verdade, na maioria das vezes significa enfrentar muitos problemas e desafios, onde a nossa fé e perseverança são provadas, mas onde também vemos a fidelidade e o cuidado de Deus para com as nossas vidas.

Servir como missionários na Itália não é nada fácil. Existe a pressão espiritual, religiosa, emocional, financeira, além da grande burocracia, que fazem da Itália um dos países com o maior percentual de retorno prematuro de missionários no mundo. No entanto, como disse o salmista: “o Senhor está comigo entre aqueles que me ajudam” (Sl 118.7). No dia 07/11 conseguimos dar a entrada nos pedidos dos títulos de residência (permesso di soggiorno) da Itália, que são mais demorados e caros do que em Portugal (gastamos 250 euros para renovar os de Portugal e cerca de 500 euros para dar entrada nos da Itália), mas já é um passo muito importante para nossa permanência e desenvolvimento do nosso projeto missionário na Itália. Agora teremos de nos apresentar no dia 16/12 na Questura (Sede da Polícia) para apresentar os documentos originais e tirar as impressões digitais, depois teremos de aguardar cerca de um mês para termos os títulos de residência. Por favor, orem para um processo rápido e sem complicações.

No dia 15/11 estive participando, na cidade de Trieste, da reunião do Comitê Regional Triveneto (regiões de Veneto, Friuli Venezia Giulia e Trento) da MIE (Missione Italiana per l’Evangelo), da qual somos membros. Por indicação do Pr. Mosè Baldari (Presidente da MIE), fui nomeado conselheiro na Comissão Diretiva da MIE para a região de Triveneto. Me sinto muito honrado, por mais esta oportunidade de servir e ajudar na evangelização da Itália.

Somos profundamente gratos a todos os amados irmãos e igrejas que não têm nos deixado sozinhos, mas estão juntos conosco na obra missionária através das orações e contribuições. Muito obrigado a todos! As vossas orações e contribuições são muito importantes para que possamos continuar levando a Palavra de Deus em terras italianas!

Motivos de oração:

* Por nossa saúde física, emocional e espiritual;
* Pelo processo dos nossos títulos de residência da Itália,
* Por direção, estratégias e graça de Deus para alcançarmos os italianos com a mensagem do Evangelho;
* Pelo Matheus que está no Brasil;
* Por novos mantenedores e por milagres em nossas finanças.

Com gratidão,

Pr. Paulo Henrique, Alessandra e Lucas
-----------------------------------------------------
Escreva para nós através dos e-mails:

Para ofertas especiais - nossas contas:
Banco do Brasil Ag 3159-3 C/C 6573-0 ou Banco Itaú Ag 6116 C/C 00485-1 (Paulo Henrique P. Cunha)
Banco do Brasil Ag 3470-3 C/C 6927-2 ou Banco Itaú Ag 6116 C/C 10124-4 (Alessandra de Carvalho Cunha)

mEdO!

Só de visualizar a barbatana dorsal de um tubarão criamos uma imagem de terror fincada por meio da mídia.

Fazemos pré-julgamentos, pois são formadas em nós imagens pelas pessoas com quem andamos, e pelos lugares onde vamos.

Formamos a imagem do "medo" por que de forma irracional não conseguimos entender o que para nós é a perdição, destruição e morte.

Tema ao único que tem poder sobre sua vida, entregue a ele os "medos" que o homem pode até ter colocado em você, mas que com Ele, não poderão te dominar.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Sermos Imitadores!

Texto Referência: Ef 5.1,2

"Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; E andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave."

Paulo nos orienta a imitar a Deus por meio de um espírito perdoador e agir como Seu Filho Jesus agiu nas diversas situações da vida (Ef 4.32; Sl 108.8-13).

O amor sacrificial de Cristo pode ser notado não somente na grandiosa obra da Salvação (Ef 2), mas também como exemplo de como devemos exercer o amor fraternal.

Na Torá (basicamente os primeiros cinco livros do AT), a frase "aromo suave", referindo-se à oferta de sacrifício a Deus, aparece mais de 40 vezes, enfatizando o quanto esse ato de profunda devoção e entrega era agradável ao Senhor (Gn 8.21; Êx 29.18,25,41; Lv 1.9,13,17).

A mesma atitude que Deus teve em relação à salvação da humanidade (Rm 8.32).

Fonte:
Bíblia King James - Novo Testamento, Edição de Estudo, pág. 453.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Geografia Bíblica - Imagem aérea da cidade de Babilônia




(Clique na imagem para ver em tela cheia)

Na imagem acima você verá:

Babilônia - Também chamado de Babele, Babel ou Babil, era uma cidade de Mesopotâmia, às margens do rio Eufrates, cujas ruínas hoje coincidem com a cidade de Al Hillah, capital da província de Babil, no Iraque a cerca de 80 quilômetros a sul da capital do país, Bagdá. Era a cidade sagrada do reino do mesmo nome em 2300 a.C. e capital do Império Babilônico em 626 a.C.. Babilônia foi um exemplo de uma grande metrópole, bem organizada e com um caráter multi-étnico. A cidade foi destruída por Ciro II da Pérsia, em 539 a.C., tornando-se uma província persa.

Rio Eufrates (a esquerda) - É é o mais longo e um dos mais historicamente importantes rios da Ásia Ocidental.

Juntamente com o Tigre, é um dos dois rios que definem a Mesopotâmia. Originário no leste da Turquia, o Eufrates flui através da Síria e do Iraque para se unir ao Tigre no Chate Alárabe, que desemboca no Golfo Pérsico.

Tem uma extensão de 2.780 km e uma área de bacia de 500.000 km². Situasse em três países: Síria, Iraque e Turquia.


Portão (ou Porta) de Ishtar - foi o oitavo portal da cidade mesopotâmica da Babilônia. Foi construída por volta de 575 a.C. por ordem do rei Nabucodonosor II no lado norte da cidade.

Dedicado à deusa acádia Ishtar (é a deusa dos acádios ou Nammu, dos antecessores sumérios, cognata da deusa Asterote (Jz 2.13; 1 Sm 7.4; 1 Sm 31.10) dos filisteus, de Isis dos egípcios, Inanna dos sumérios e da Astarte dos fenícios. Mais tarde esta deusa foi assumida também na Mitologia Nórdica como Easter - a deusa da fertilidade e da primavera), o portal foi construído em fileiras de azulejos azuis brilhantes mesclados com faixas de baixo-relevo ilustrando dragões e auroques (Bos primigenius é um bovino extinto em 1627. Tratava-se de um animal de grandes dimensões e comportamento indócil).

O teto e as portas foram feitos em cedro, de acordo com a placa dedicatória. Através do portal corria o caminho procissional lineado por paredes cobertas por leões em tijolos envidraçados (aproximadamente 120 deles).

Estátuas de divindades eram conduzidas através do portal durante as procissões uma vez por ano durante a celebração do Ano Novo. Originalmente o portal foi considerado uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, sendo substituído pelo Farol de Alexandria algumas centenas de anos mais tarde.

Zigurate de Etemenanki - A história antiga do Oriente Próximo tem na Bíblia sua principal referência, afinal, é um documento histórico. A Babilônia, cidade dos caldeus, é o local onde os judeus tem suas revelações e consequentemente avaliam o motivo de estarem ali.

Como capital do reino dos caldeus, ela foi instituída após a desastrosa derrota dos assírios em 625 a.C. Assim, a Babilônia foi elevada a capital do reino caldeu.

Nabopolassar, pai do proeminente Nabucodonosor (o rei que se destaca na história da Mesopotâmia) queria tornar aquela cidade a mais bonita do Oriente Próximo, mas infelizmente morreu antes de concretizar esse sonho. Coube a Nabucodonosor, seu filho e sucessor levar adiante esse desejo. Ao subir ao trono em 604 a.C. ele tratou de começar essa obra. Reformou a cidade, cidades, edifícios públicos e principalmente o templo do deus protetor da cidade Marduk (ou Marduque).

Em especial, o templo desse deus era fenomenal em tamanho. Chegando a 90 metros de altura (alguns estimam 100 metros), o Etemenanki foi o maior empreendimento humano da Antiguidade Oriental em se tratando da Mesopotâmia. Segundo os escritos mesopotâmicos, o tamanho do Etemenanki servia como uma escada ao deus para descer à terra e visitar seus adoradores.

A Torre de Babel do Livro de Gênesis, segundo alguns escritos, é o Etemenanki ou pelo menos inspirado por ele. Da mesma forma que os Jardins Suspensos da Babilônia, o Templo de Marduk é um dos grandes empreendimentos da Humanidade e um dos mais impressionantes.

Fonte:
Google Earth
http://pt.wikipedia.org
https://www.bibliaonline.com.br
http://passadopensado.blogspot.com.br

domingo, 16 de novembro de 2014

Não deixe ...

... qualquer um te enganar.

"E Jesus, respondendo, disse-lhes: Porventura não errais (são enganados) vós em razão de não saberdes as Escrituras nem o poder de Deus?"
Marcos 12.24

sábado, 15 de novembro de 2014

Geografia Bíblica - Império Medo-Persa



O Império Medo ou Confederação Meda foi uma entidade política que existiu na região geográfica da Média (em persa antigo: Māda; persa médio: Mād), no noroeste do atual Irã, conhecida por ter sido a base política e cultural dos medos, bem como de outros povos iranianos antigos. Durante o período aquemênida, ele abrangia o Azerbaidjão iraniano, o Curdistão iraniano e a região ocidental do Tabaristão. No entanto, após as guerras de Alexandre, o Grande, as partes setentrionais se separaram e passaram a ser conhecidas como Atropatene, enquanto o restante da região passou a ser conhecida como Média Menor.

Foram unificados por Déjoces em torno do século VIII a.C.. Dos sucessores de Déjoces, vale destacar Ciáxares, que aliado a Nabopalasar, da Babilônia, derrotou os assírios.

Seu filho Astíages herdou um grande império, porém acabou sendo derrotado por Ciro, o Grande, que formou um império ainda maior, pois derrotou medos, lídios e babilônios.

Ciro tratou com liberdade os povos vencidos, respeitando suas crenças e governando com justiça. Aos judeus que viviam no Cativeiro de Babilônia foi permitido que voltassem a Canaã para a reconstrução do Templo de Jerusalém. Ciro estabeleceu sua capital em Pasárgada, onde construiu belíssimos palácios. O filho de Ciro, Cambises II (rei entre 530 e 522 a.C.), conquistou o Egito. Despótico, cruel e desequilibrado, acabou cometendo suicídio. A morte de Cambises levou vários pretendentes a lutarem pelo trono, que acabou sendo conquistado por Dario.

Com Dario I, o Império Persa atingiu o apogeu. Construiu estradas; criou um bem dotado sistema de correio; uniformizou o sistema de pesos e medidas; criou uma moeda-padrão: o dárico; dividiu o Império em satrapias e nomeou pessoas de confiança para governá-las.

Após Dario I, o Império entrou numa longa decadência, até ser conquistado por Alexandre, o Grande, da Macedônia, em 331 a.C.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Imp%C3%A9rio_Medo

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Notícias Obra Missionária - Peru

Este fim de semana o Pastor Elias Alves, presidente da Missão MANÁ, esteve viajando à Amazônia Peruana acompanhado pelo Pr. Leonardo Gonçalves (Missionário em Piura - PERU), onde visitou o nosso líder naquele lugar, Pr. Ernesto Guevara, e se reuniu com os 10 Pastores Indigenas Awajuns que começarão a receber uma ajuda financeira para a realização a Obra Missionária nesta Etnia ainda não alcançada.
Segundo dados do Projeto Josué (Joshua Project), os Awajuns são considerados Etnia ainda não alcançada, esta Etnia, com aproximadamente 55.000 pessoas e com somente 0,8% de cristãos evangélicos, sem a bíblia em seu idioma e somente uma versão do Novo Testamento, a qual precisa ser revisada urgentemente devido aos graves erros de tradução.
A Missão MANÁ adquiriu um terreno no povoado de Imacita (porto do Rio Maranhão), terreno de 300m², onde estaremos construindo a Base do Projeto MANÁ Perú, para a tradução da Biblia e outros materiais ao idioma Awajun, além da capacitação de obreiros nativos e recepção dos pastores e amigos que desejem se envolver com este Projeto.
 
Confiram as fotos desta viagem missionária























 
Missão MANÁ
Missão de Apoio aos Nativos Autóctones
www.missaomana.org
(35)3231-43348 - (35) 8843-4338

O ensino bíblico sobre o Jejum 5/6

O ensino de Jesus sobre o Jejum

O Senhor Jesus não só o praticou, como deu o seu aval ao verdadeiro jejum. O que Ele reprovou foi a atitude dos fariseus, que o praticavam com o mesmo propósito de suas orações em público.

O Senhor os condenou, ao mesmo tem que deixou claro alguns princípios:

a) O jejum neotestamentário não é  fruto da tristeza nem motivo para ela.

b) O jejum neotestamentário não é para ser visto pelos homens, mas aceito por Deus.

c) O jejum neotestamentário não é ato de penitência, mas de adoração ao Senhor.

É com esta visão que o novo crente deve prosseguir em caminhada cristã.

Conselhos Bíblicos