Pesquisar no Blog do J.A.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

PARA OS LEVITAS

AS MARCAS DE UM ADORADOR

"... Encontrei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração; ele fará tudo o que for da minha vontade" - At 13:22 b.

A Palavra nos diz que Deus está à procura de verda­deiros adoradores, que saibam adorá-lo em espírito e em verdade. 

Ao descrever o tipo de adoração que Deus espera receber, João faz uso da expressão Aletheia - (ver­dade  que é o oposto de fictício, fingido ou falso.)

Possui o sentido de veracidade, realidade, sinceridade, exati­dão, integridade, confiança e propriedade. 

É assim que Deus anseia ser adorado.

Deus procura pessoas que sinceramente se rendam diante da sua glória, que depositem nele toda a sua confiança, que honrem com integridade o seu nome. 

Deus procurou e encontrou Davi, um homem segundo o seu coração. 

Davi trazia consigo as marcas de um verdadeiro adorador, marcas que eu e você deve­mos ter, para que a nossa vida também seja segundo o coração de Deus. 

Vejamos 3 marcas deste adorador:

1- "homem".

Deus está procurando homens e mulheres de verda­de, pessoas que tenham maturidade, seriedade, com­promisso, responsabilidade, disposição para aprender, que sejam pessoas de palavra. 

Deus não está à procura de "crianças" imaturas, que se comportam e reagem à vida de forma irresponsável e infantil. 

Muitos músicos revelam-se totalmente despreparados para o exercício de seu ministério por se comportarem como crianças em Cristo. 

Normalmente, tais pessoas colocam obstáculos em tudo que lhes é pro­posto e dificultam as relações com as pessoas ao seu redor. 

Tendem a murmurar sempre, a criticar tudo, nunca se dispõem a servir e criam contendas e divisões den­tro da igreja.

Deus está buscando uma Igreja comprometida, ma­dura, sem mácula, nem ruga, santa e irrepreensível. 

Se quisermos adorar a Deus em verdade precisamos dei­xar para trás as coisas de menino e alcançar a estatura da varonilidade de Cristo. 

Precisamos crescer!

Davi era alguém responsável. 

Certa ocasião, quando o profeta Samuel foi à casa de seu pai, Jessé, para ungir um de seus filhos como o futuro rei de Israel, Davi esta­va apascentando as ovelhas de seu pai. 

Ele estava traba­lhando. 

Eis aqui uma lição prática para todos nós. 

Precisamos entender que, como homens e mulheres de Deus, somos chamados a andar ao lado das pessoas, a cuidar delas, a conhecer e a tentar suprir as necessida­des da nossa igreja e dos nossos líderes espirituais, em vez de sermos egoístas e irresponsáveis, pensando ape­nas em nós mesmos e no nosso ministério pessoal. 

Exis­tem muitos que estão preocupados em ter "car­gos" na igreja, quando, na verdade, não fomos chama­dos para ter "cargos", mas, como disse Paulo, a levar as cargas uns dos outros. 

A nossa maior responsabilidade como cristãos e o nosso maior ministério é levar as cargas das pessoas à nossa volta, é amá-las, animá-las e abençoá-las. 

Você estaria disposto a apascentar as ovelhas do Pai??????

Em inúmeras situações Davi deu provas de sua responsabilidade, como na ocasião em que seu pai o enviou aos seus irmãos, que estavam no campo de batalha, para saber como estavam. 

Davi levantou-se cedo, ainda de madrugada, deixou as ovelhas com um guar­da e partiu como seu pai lhe havia ordenado. 

Ele não deixou suas ovelhas sozinhas, mas chamou uma pessoa para cuidar delas (I Sm 17:20)

Da mesma forma, precisamos ser mais responsáveis com aquilo que o Senhor nos confiou a fazer.

Houve um momento na vida de Davi em que ele preci­sou enfrentar a fúria de um leão e a força de um urso para defender as ovelhas de seu pai (I Sm 17:4-35)

Por certo, Jessé nunca havia lhe pedido que colocasse em risco sua própria vida em defesa das ovelhas, mas Davi teve essa atitude porque era uma pessoa responsável. 

Deus procura pessoas assim, que não desistem dos de­safios na primeira dificuldade que surge. 

Existem aque­les que enxergam dificuldades em tudo e encontram empecilhos para todas as tarefas que lhes são propostas. 

O que lhes é pedido nunca pode ser feito porque sempre encontram uma desculpa, como: 

"Não posso carregar a caixa de som hoje",

"Não posso participar dos ensaios"

"Não posso ajudar a guardar os instrumentos, pois estou com muita pressa" etc. 

Enfim, tais pessoas têm sempre uma desculpa para não servir e fazer o que precisa ser feito. 

Deus espera que apre­sentemos os nossos frut os, e não as nossas desculpas.

Davi era um homem de verdade. 

Ele não era um menino irresponsável. 

Apenas aqueles que são maduros estão dispostos a assumir responsabilidades e a enfren­tar desafios. 

Em geral, as pessoas que desistem facil­mente diante das dificuldades nunca conseguem concluir aquilo que iniciam.

Davi enfrentou um gigante. 

Não só o enfrentou, como também o venceu em nome do Senhor. 

Golias afrontava as tropas de Israel dizendo: 

"Mandem-me um homem para lutar sozinho comigo" (I Sm 17:10b)

Em outras palavras, o que o gigante filisteu estava perguntando era: 

"Tem homem aí?".

Há homens no exército de Deus hoje? 

Existem pes­soas maduras para apascentar as ovelhas do Pai, para cumprir suas tarefas com responsabilidade, com cora­gem para lutar com leões, enfrentar ursos e pelejar com gigantes como Golias? 

Deus achou Davi. 

Ele quer achar você também.

2- "segundo o meu coração".

Davi foi achado por Deus como alguém que possuía o coração segundo o seu. 

Nele foram encontradas as virtudes, as posturas, os sentimentos, os pensamentos e as motivações que agradavam ao Pai. 

Seu coração possuía o mesmo formato que o coração de Deus, como se tivesse saído da mesma fôrma, pois ele agia, sentia e pensava segundo os critérios divinos.

Ter o formato do coração de Deus é agir como Ele age, sentir como Ele sente e pensar como Ele pensa. 

Para termos o coração segundo o coração de Deus precisamos conhecê-lo, ter intimidade e relacionamen­to com Ele, enfim, precisamos conhecer sua voz.

Paulo, em sua Carta aos Romanos, apela aos irmãos que não se assemelhem ao mundo e seu sistema, mas sejam renovados em sua maneira de pensar. 

"Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (Rm12:2)

O apelo do apóstolo era que a igreja não se conformasse com o mundo, ou seja, que não tomasse a sua forma, seguin­do seus valores e princípios. 

Afinal, nós estamos neste mundo, mas não pertencemos a ele. 

Pertencemos ao Reino de Deus!

Poderíamos dizer que Davi era um homem segundo o coração de Deus por duas razões básicas: ele tinha um coração quebrantado e estava sem­pre disposto a aprender; co­nhecia ao Senhor, pois tinha intimidade com Ele.

Se você também deseja ser achado como uma pessoa segundo o coração de Deus, busque conhecê-lo mais por meio da oração e da leitura da Palavra. 

Busque intimidade com Deus. 

"O Senhor confia os seus segredos aos que o temem, e os leva a conhecer a sua aliança" (Sl 25:14).

3- "fará tudo o que for da minha vontade".

Assim como havia no coração de Davi a disposição de fazer toda a vontade de Deus e não apenas parte dela, nosso coração deve estar totalmente inclinado à obediência ao Senhor.

Devemos ser obedientes à sua voz, senão estaremos nos rebelando contra o próprio Deus e sua autoridade. 

E tão sério quanto a feitiçaria é o peca­do da rebeldia: 

"Pois a rebeldia é como o pecado da feitiça­ria..." (I Sm 15:23a).

No universo existem apenas a vontade de Deus e a do diabo. 
Por isso, certa vez, Jesus fez a seguinte afirmação: 

"Aquele que não está comigo, está contra mim; e aquele que comigo não ajunta, espalha" (Mt 12:30)

E em outra ocasião afirmou que não podemos servir a dois se­nhores, pois ou servimos e obedecemos a Deus ou ao diabo. 

Não existe meio-termo. 

Será que a sua vida está no centro da vontade de Deus? 

O Senhor encontra­ria em você a firme determinação de obe­decê-lo?

Para sermos obreiros aprovados precisamos estar no centro da vontade de Deus. 

Ser usados por Ele não é o suficiente, pois Ele usa quem quer e na hora que quiser. 

Antes, precisamos ser aprovados por Deus. 

Muitos têm sido, de certa forma, usados pelo Senhor, mas poucos têm sido aprovados diante dele.

Apesar de muitas vezes julgarmos difícil ver a vonta­de de Deus como o melhor para nós, devemos crer que, segundo a sabedoria e o vasto conhecimento que Ele possui a respeito de todas as coisas, Deus sabe exata­mente o que é melhor para a nossa vida.

No ministério da música, bem como em todos os ministérios da Igreja, existem as vantagens e as dificuldades peculiares ao exercício de cada serviço no Corpo. 

Participar ativamente de um ministério pode trazer muita alegria ao nosso coração, como também muitas dores e preocupações.

Há aqueles que desejam ter apenas o "bônus" do ministério, sem querer pagar o "ônus", o preço do serviço a Deus. 

Só se interessam por aquilo que o ministério pode oferecer de bom. 

São pessoas que normalmente querem apenas os aplausos, a visibilidade, o reconhecimento, mas não querem ser realmente servos.

Se não queremos servir, não podemos ter ministério algum na Igreja, pois ser um ministro significa servir e doar-se ao outro. 

O próprio Cristo disse que não veio para ser servido, mas para servir: ". como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos" (Mt 20:28).

Todos os cristãos são chamados a servir a Deus. 

O servo não é dono de si mesmo, nem possui direitos, mas vive para servir a outros.

Embora tenhamos diferentes dons e habilidades, o nosso chamado ao serviço não se restringe apenas ao ministério do qual fazemos parte. 

Isso significa que o fato de pertencermos a um ministério específico não nos isenta de trabalharmos e servirmos aos irmãos em outras áreas. 

Os músicos não são chamados apenas para tocar, mas para servir aos irmãos e aos seus líderes.

Quando Deus instituiu a Páscoa, sua orientação foi que nada fosse deixado do cordeiro que representava o Senhor Jesus. 

Eles deveriam comer o cordeiro todo, as partes boas e as partes mais duras.

Nosso compromisso com Deus não pode ser parcial; à semelhança de Israel, precisamos aprender a "comer o cordeiro todo", ou seja, a assumir todas as implica­ções do Evangelho, ainda que muitas vezes tenhamos de fazer coisas que não queremos.

Você está disposto a seguir a orientação de Deus? 

Você realmente deseja seguir a Cristo? 

Haverá mo­mentos em que você terá de renunciar à sua própria vontade, para fazer a vontade de Deus. 

Se para você obedecê-lo é o que realmente importa, tenho certeza de que Deus encontrará em você um verdadeiro adorador.

Deus abençoe!


Pb Donizeti (Um servo do Senhor Jesus a serviço do reino de Deus)

Conselhos Bíblicos