Pesquisar no Blog do J.A.

sábado, 11 de junho de 2016

Porque não existem "super-heróis"


1º - Eles são invenção da mente humana.


Todos os super-heróis que existem no folclore atual partem da criação vinda da mente do homem. Eles possuem fraquezas, pois assemelham o caráter de seus criadores, assim como, seus super-poderes são reflexo do desejo humano em fazer o extraordinário.

2º - Todos são referência ao aspecto físico humano.

Temos a tendência de "humanizar" tudo que há no imaginário popular. Os ET's na maioria das vezes possuem traços humanos, os super-heróis, mesmo os de outros planetas ou mundos, possuem aspectos humanos e isso os torna "identificáveis" com a humanidade.

3º - Excluem Deus da vida dos homens.

A autossuficiência que os super-heróis transmitem excluí o poder da ação de um ser soberano no universo. Muitos morrem e voltam a vida, muitos desafiam as leis que regem o universo e fazem da Terra um lugar perfeito em meio a todo o universo para que haja vida.

As quatro Forças Fundamentais da Natureza

Sabemos que existem apenas 4 forças, ou interações, fundamentais na natureza. São elas a interação gravitacional, a interação eletromagnética, a interação forte e a interação fraca. A tabela mostra detalhes sobre estas forças que serão logo explicados:

força (ou interação)
fundamental
intensidadeteoriamediador
forte10cromodinâmica quânticagluon
eletromagnética10-2eletrodinâmicafóton
fraca10-13flavordinâmicaW± e Z0
gravitacional10-42geometrodinâmicagraviton

Vamos explicar o conteúdo da tabela.
  • Intensidade: Os valores acima atribuídos para as intensidade das forças não devem ser considerados de modo absoluto. Você verá valores bastante diferentes em vários livros, em particular no que diz respeito à força fraca. O cálculo desta intensidade depende da natureza da fonte e a que distância estamos fazendo a medição. O que importante notar é a razão entre elas: a força gravitacional é, de longe, a mais fraca entre todas, porém é a de maior alcance, sendo a responsável pela estabilidade dinâmica de todo o Universo.
  • Força gravitacional: A teoria clássica da gravitação é a lei de Newton da Gravitação Universal. Sua generalização relativística é a teoria da Gravitação de Einstein, também chamada de Teoria da Relatividade Geral de Einstein. O melhor termo para ela seria Geometrodinâmica, uma vez que a relatividade geral geometriza a gravitação. Para descrever os estágios iniciais da formação do Universo precisamos de uma teoria quântica da gravitação, algo que os físicos ainda não possuem, apesar dos enormes esforços desenvolvidos para isto.
  • Eletrodinâmica: Esta é a teoria física que descreve os fenômenos elétricos e magnéticos, ou seja as forças eletromagnéticas. A formulação clássica da Eletrodinâmica foi feita por James Clerk Maxwell. A teoria clássica construída por Maxwell já era consistente com a teoria da relatividade especial de Einstein. O "casamento" desta teoria com a mecânica quântica, ou seja, a construção de uma "Eletrodinâmica Quântica", foi realizada por grandes nomes da física tais como Feynman, Tomonaga e Schwinger nos anos que compõem a década de 1940.
  • (Interação) Fraca: As forças fracas são aquelas que explicam os processos de decaimento radiativo, tais como o decaimento beta nuclear, o decaimento do pion, do muon e de várias partículas "estranhas". É interessante notar que esta força não era conhecida pela física clássica e que sua formulação como teoria é estritamente quântica. A primeira teoria das interações fracas foi apresentada por Fermi em 1933. Mais tarde ela foi aperfeiçoada por Lee, Yang, Feynman, Gell-Mann e vários outros nos anos da década de 1950. Sua forma atual é devida a Glashow, Weinberg e Salam, que a propuseram nos anos da década de 1960. A nova teoria das interações fracas, que é chamada de flavordinâmica por causa de uma das propriedades intrínsecas das partículas elementares, é mais justamente conhecida como Teoria de Glashow-Weinberg-Salam. Nesta teoria, as interações fraca e eletromagnética são apresentadas como manifestações diferentes de uma única força, a força eletrofraca. Esta unificação entre a interação fraca e a interação eletromagnética reduz o número de forças existentes no Universo a apenas 3: força gravitacional, força forte e força eletrofraca.
  • (Interação) Forte: As forças fortes são aquelas responsáveis pelos fenômenos que ocorrem a curta distância no interior do núcleo atômico. A estabilidade nuclear está associada à força forte. É ela que mantém o núcleo unido evitando que os prótons que os constituem, por possuírem a mesma carga elétrica, simplesmente sofram uma intensa repulsão e destruam o próprio átomo. Se a força forte não existisse a matéria que forma o Universo, tal como o conhecemos, também não existiria. Prótons e nêutrons não conseguiriam se formar. Nós, seres humanos, não poderíamos existir. O trabalho pioneiro sobre as forças fortes foi realizado por Yukawa em 1934 mas até meados da década de 1970 não havia, realmente, uma teoria capaz de explicar os fenômenos nuclear. Foi então que surgiu a cromodinâmica quântica.
  • Mediadores: Após a física ter abandonado o conceito de "ação-a-distância", foi introduzido o conceito de "campo". Cada partícula criava à sua volta uma perturbação, seu "campo", que era sentido pelas outras partículas. A Teoria Quântica de Campos (TQC) introduziu o conceito de "mediadores". Segundo a TQC cada uma das forças que existem na natureza é mediada pela troca de uma partícula que é chamada de "mediador". Estes mediadores transmitem a força entre uma partícula e outra. Assim, a força gravitacional é mediada por uma partícula chamada graviton. A força eletromagnética é mediada pelo fóton, a força forte pelos gluôns e as forças fracas pelas partículas e Z0, que são chamadas de bósons vetoriais intermediários. Isto complica ainda mais o estudo das interações entre as partículas. Veja que antes descrevíamos a interação entre dois prótons como sendo a interação entre duas partículas. Hoje, sabendo que os prótons são partículas compostas por 3 quarks, vemos que a interação entre dois prótons é, na verdade, uma interação entre 6 quarks que trocam gluôns incessantemente durante todo o processo. Só para te avisar, existem 8 tipos de gluôns. Como você pode ver, aqui não existe simplicidade.
Os super-heróis burlam todas elas, isso sem falar nas questões biológicas. Estas leis físicas regem todo o conhecimento cientifico do universo que hoje o homem detém, só um Ser superior poderia ter as ajustado de forma a permitir que por meio delas a vida fosse mantida.

Ignorá-las é ignorar seu criador.

4º - Você pode até acreditar, mas eles não existem.

Muitos são iludidos pela ideia de que podem fazer o que quiser sem consequências, já que o super-poder te coloca em um "nível acima de leis".

A Bíblia é clara quanto a Lei da Semeadura (Gl 6.7 - "Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará."), não há como fugir disso. Somos responsáveis por tudo o que fizermos, não nos livrar desta "lei espiritual".

Conclusão

Nós nos enganamos, mas a Bíblia traz uma luz ao homem que está em meio as trevas sem ver. O único que tem todo o poder nos céus e terra e Jesus (Mt 28.18).

Disso não como fugir.

Glossário:
  • E.T. - Ufologia - 1.Sigla usada para visitante extraterrestre. 2. Fig. Visitante inesperado.
  • Interação - influência mútua de órgãos ou organismos inter-relacionados; ação mútua ou compartilhada entre dois ou mais corpos ou indivíduos.
  • Píon - Na física de partículas, o píon (abreviação de méson pi, denotado pela letra grega pi: π) é uma das três partículas subatômicas: π0, π+ e π−. Cada pião é composto por um quark e um antiquark e é, portanto, um méson. Píons são os mésons leves e são instáveis​​, sendo que os píons carregados π+ e π− se deterioram depois de um tempo de vida média de 26 nanossegundos, enquanto o píon π0 neutro deteriora-se em um tempo ainda mais curto. Píons carregados normalmente decaem em múons e neutrinos do múon e píons neutros em raios gama.
  • Múon - É uma partícula elementar semelhante ao elétron, com carga elétrica unitária negativa de -1 e um spin de 1⁄2, mas com uma massa muito maior (105,7 MeV/c2). É classificado como um lépton, assim como o elétron (massa de 0,511 MeV/c2), o Tau (massa de 1777,8 MeV/c2), e os três neutrinos. Como é o caso com outras léptons, não se acredita que o múon tenha qualquer sub-estrutura; ou seja, não apresenta quaisquer partículas mais simples. O múon é uma partícula subatômica instável, com uma vida média de 2,2µs. Entre todas as conhecidas partículas subatômicas instáveis, só o nêutron e alguns núcleos atômicos têm uma vida útil mais longa; outros decaem significativamente mais rápido. O decaimento do múon (bem como do nêutron, o bárion instável de vida mais longa), é mediada exclusivamente pela Força fraca. O decaimento do múon sempre produz, pelo menos, três partículas, que devem incluir um elétron da mesma carga que o múon e dois neutrinos de diferentes tipos.
  • Próton - O próton é uma partícula subatômica, de símbolo p ou p+, com uma carga elétrica positiva de +1e carga elementar e com uma massa ligeiramente menor do que a de um nêutron (Outra partícula subatômica encontrada nos átomos). Os prótons e os nêutrons, possuem massa de aproximadamente uma unidade de massa atômica, são referidos coletivamente como "núcleon", prótons estão presentes no núcleo de um átomo. O número de prótons no núcleo é conhecido como número atômico. Uma vez que cada elemento tem um único número de prótons, cada elemento tem o seu próprio número atômico. A palavra próton significa em grego "primeiro", e esse nome foi dado ao núcleo de hidrogênio por Ernest Rutherford em 1920. Nos anos anteriores, Rutherford descobriu que o núcleo de hidrogênio (conhecido por ser o núcleo mais leve) podia ser extraído dos núcleos de nitrogênio por colisão. O próton foi, portanto, um candidato a ser uma partícula fundamental e um bloco de construção para nitrogênio e todos os outros núcleos atômicos mais pesados.
  • Nêutron - Um nêutron é um bárion eletricamente neutro. Formado por dois quarks down e um quark up, forma o núcleo atômico juntamente com o próton e, uma vez fora deste, é instável e tem uma vida média de cerca de 15 minutos, emitindo um eletrón e um antineutrino,convertendo-se em um próton. Foi descoberto pelo físico inglês James Chadwick em 1932, que recebeu o Prêmio Nobel de Física em 1935 por essa descoberta. Para saber a quantidade de nêutrons que um átomo possui, basta fazer a subtração entre o número de massa (A) e o número atômico (Z).
  • Glúon - Glúons são partículas fundamentais que agem como partículas de troca (ou bósons de calibre) para a força forte entre quarks, análoga à troca de fótons na força eletromagnética entre duas partículas carregadas. Em termos técnicos, os glúons são bósons vetoriais que mediam as forças fortes de quarks na cromodinâmica quântica (QCD). Os próprios glúons levam a carga de cor da interação forte. Isso é diferente do fóton, que medeia a interação eletromagnética, mas não tem uma carga elétrica. Glúons, portanto, participam da força forte, além de mediá-la, tornando a QCD significativamente mais difícil de se analisar do que a QED (eletrodinâmica quântica).
  • Quark - O quark, na física de partículas, é uma partícula elementar e um dos dois elementos básicos que constituem a matéria (o outro é o lépton). Quarks se combinam para formar partículas compostas chamadas hádrons; os mais estáveis desse tipo são os prótons e os nêutrons, que são os principais componentes dos núcleos atômicos. Devido a um fenômeno conhecido como confinamento, quarks nunca são diretamente observados ou encontrados isoladamente; eles podem ser encontrados apenas dentro de hádrons, como os bárions (categoria a que pertencem os prótons e os nêutrons), e os mésons. Por esta razão, muito do que se sabe sobre os quarks foi elaborado a partir das observações dos próprios hádrons.
Fontes:
AS QUATRO FORÇAS FUNDAMENTAIS DA NATUREZA, link: , acessado em 10/06/2016.
A BÍBLIA ONLINE, link: , acessado em 10/06/2016.
DICIONÁRIO INFORMAL, link: <http://www.dicionarioinformal.com.br/et/>, acessado em 10/06/2016.
GOOGLE, link: , acessado em 10/06/2016.
WIKIPÉDIA, LINK: ,, acessado em 10/06/2016.

Conselhos Bíblicos